descubra tudo o que rolou na oitava edição do m-v-f- awards, exibida virtualmente este ano

por duda leite

foram anunciados numa cerimônia online os vencedores da oitava edição do m-v-f- awards, gravada presencialmente no Teatro Sérgio Cardoso, com apresentação de Aisha Mbikila e Didi Effe.

Foram 23 categorias, entre clipes nacionais e estrangeiros, com algumas categorias inéditas como clipes feitos durante o lockdown e lives musicais, criadas com o intuito de reconhecer a intensa e pulsante produção em vídeo e música durante a pandemia. Os vencedores foram escolhidos pelo público e por dois júris – o oficial composto por Stephan Doitschinoff, Samantha Almeida, Rudá Cabral, Lua Voigt, Rico Dalasam, Zeca Camargo e Louise Stevens – e pelo júri all stars da converse (muryllo hills, lucas silvestre, Miranda luz e vitória ferreira). A participação do público contou com mais de 80 mil votos online.

Bivolt foi uma das grandes vencedoras entre os artistas nacionais, levando os prêmios de Melhor Edição e Revelação em Direção pelo clipe “Cubana”, de Gabriel Augusto e Quemuel Corneluis, além de Melhor Inovação pelo projeto“100v e 220v”, dois clipes dirigidos por Aline Lata. Tássia Reis levou Melhor Direção de Arte pelo clipe de “Dollar Euro” que conta com a participação de Monna Brutal, e Céu ganhou Melhor Fotografia pela superprodução “Corpocontinente”. A diva baiana Luedji Luna ganhou o prêmio de Melhor Vídeo Nacional em Formato Estendido por seu álbum visual “Bom Mesmo É Estar Debaixo D’água”, dirigido por Joyce Prado.

O Melhor Clipe Nacional de Animação foi para “Mitos” de Arthur Nabeth, e o Melhor Clipe Nacional Feito durante o lockdown foi para o clipe “Bixa Preta Parte 2” de Linn da Quebrada e Jup do Bairro. Linn também ganhou na categoria Melhor Videoclipe Envolvendo Diversidade e Inclusão em Parceria com a Converse, votado pelo júri All Stars, pelo clipe “Oração”, codirigido pela própria Linn e por Sabrina Duarte. O prêmio dessa mesma categoria segundo o público foi para Gloria Groove por “A Caminhada” de Felipe Sassi.

Um dos prêmios mais importantes da noite, o de Melhor Direção Nacional ficou com “Braços/Vela” do artista L’Homme Statue, dirigido por Douglas Bernardt – que já havia ganhado nessa mesma categoria em 2019, pelo clipe “Bluesman” de Baco Exu do Blues. A Melhor Live ou Apresentação Gravada Nacional segundo o público, ficou para a apresentação do Àttooxxá feat Hiran no festival Afropunk de 2020. E o Melhor Videoclipe Nacional segundo o voto do público foi para Manu Gavassi, por seu clipe “Deve Ser Horrível Dormir Sem Mim”, dirigido pela própria Manu, que mandou uma mensagem fofa para o m-v-f-.

Entre as categorias internacionais, quem levou o prêmio de Melhor Live ou Apresentação Gravada, foi Dua Lipa por seu “Studio 2054”. Aliás, a Dua Lipa também mandou uma mensagem bem fofa para o m-v-f. O prêmio de Revelação em Direção foi para Alonzo Hellerbach, pelo clipe “Words for Thomas” de Jurdan Bryant. O clipe de “777” de Joji, dirigido por Saad Moosajee levou dois prêmios importantes: Melhor Videoclipe de Animação e Melhor Inovação em Vídeo, ambos escolhas do júri oficial. O Melhor Clipe em Formato Estendido ficou para o clipe “Sad Day” da Fka Twigs, dirigido pelo mestre Hiro Murai – que já havia sido premiado antes no m-v-f- por seu clipe “Gold” do Chet Faker. O prêmio de Melhor Direção foi para Colin Read, pelo clipe “Walls” do artista Mild Minds. Colin Read também venceu o prêmio de Melhor Clipe Internacional Produzido no Lockdown pelo clipe “Dreamland” do Glass Animals. E, finalmente, o Melhor Videoclipe Internacional, segundo o público foi para “Are You Gonna Tell Her?” da popstar sueca Tove Lo, dirigido pela dupla de brasileiros Alaska. Foi uma noite e tanto!

Para quem não acompanhou a premiação, haverá reprise no Youtube do MIS SP nos dias 12 e 13 de fevereiro, às 22h00. Em breve, a cerimônia será disponibilizada na íntegra nos canais do m-v-f-, Cultura em Casa e MIS SP.