m-v-f- convida Erika Palomino

Erika Palomino é jornalista, editora e consultora de tendências e fez uma playlist excelente pro m-v-f- 2017!

Definindo-se como novidadeira e midiajunkie, já fez rádio, site, blog, revista, TV, internet, desfile, dança e cinema. Ela trabalhou por 17 anos na Folha de S. Paulo, onde manteve coluna semanal sobre comportamento e cultura jovem chamada “Noite Ilustrada”. Publicou dois livros, ‘Babado Forte” (1999) e “A Moda” (2001). Atualmente dedica-se à direção criativa e curadoria de exposições, performances, vídeos, publicações e projetos malucos em geral. Confira abaixo porque ela escolheu cada clipe:

Kelsey Lu  no clipe de “Dreams” é um trabalho delicado e feminino, que valoriza a simplicidade e o slow motion com sabedoria. A fotografia em P&B contribui para o clima intimista, em pleno deserto. Está na lista de Palomino porque é algo que ela tem ouvido muito.

Erika é fã de todos os clipes do diretor Spike Jonze, como do Fatboy Slim com Chris Walker ou Da Funk, conto urbano do cachorro de pé quebrado que anda pela cidade carregando uma boombox e perde seu amor. Em “Sabotage”, do Beastie Boys, tem o ritmo, a edição, a fotografia e a direção de arte que influenciam o audiovisual e a publicidade até hoje. O vídeo é uma pista de seu  talento único como contador de histórias.

Um dos grandes hinos dos anos 90, “Unfinished Sympathy” tem um maravilhoso plano sequência de 5 minutos no qual a extraordinária vocalista Shara Nelson (que também compôs a letra da música) caminha com raiva e verdade por um subúrbio de Los Angeles. A direção é de Baillie Walsh, que fazia muitos filmes à época. A direção de arte é do icônico artista performático Leigh Bowery, e a câmera (uma steadicam) que foi feita por Dan Kneece, que trabalhou muito com David Lynch. Claro que esse tipo de filmagem era raro para essa mídia e o clipe entrou para a história.

A jornalista ainda poderia citar muita coisa deles (House of Cards, por exemplo!), mas vou ficar de novo com o minimalismo de “Lotus Flower”, da banda Radiohead, com as históricas dancinhas do vocalista Thom York. A fotografia, a edição e os enquadramentos nos deixam ainda mais hipnotizados pela figura do líder da banda. Totalmente nonsense, mas muito emocionante.

Sua lista não poderia estar completa sem um clipe da Madonna. Erika escolheu “Justify My Love”, dirigido por Jean Baptiste Mondino, que criou imagens eternas para a esbórnia sexual da cantora, muito avançada para a época. Fotografia impecável, claro. Madonna em seu auge.