Ariana Grande e o épico vídeo de “God is a Woman”

Surra de simbolismos e girl power! De acordo com o novo videoclipe de Ariana Grande “Deus é uma mulher” e ela está certíssima, afinal, diante de uma produção como essa, quem somos nós para discordar, não é mesmo? O vídeo usa e abusa de uma iconografia religiosa para mostrar que há poder na sexualidade feminina. Um dos conceitos do clipe é confrontar e questionar a narrativa do mundo escrita por homens e consolidada com suporte do cristianismo. A verdade, é que se trata de uma releitura da história da humanidade vista pela perspectiva da mulher.

Os simbolismos são muitos! Logo nos minutos iniciais, Ariana aparece no meio de uma pintura, que lembra claramente o órgão genital feminino. Quando a cantora é ofendida por homens pequeninos, existe uma referência à escultura “O Pensador”, de Auguste Rodin, colocando a figura da mulher em posição de superioridade. Há também uma homenagem à Madonna, com o sutiã de cone usado pela cantora em 1990, peça icônica para os amantes da cultura pop. Por falar em Madonna, é ela quem dá voz a um monólogo sobre empoderamento ouvido dentro do Panteão, em Roma.

E são várias as referências bíblicas. O próprio discurso da rainha do pop foi retirado do filme “Pulp Fiction” (1994) de Quentin Tarantino, que na verdade já é uma citação da Bíblia. Outra referência ao cristianismo é o Jardim do Éden, que na produção exalta o dom da gestação, exclusivo às mulheres. Em determinado momento do clipe, a cantora aparece no meio de um triângulo, que faz referência à Santíssima Trindade.  No fim do vídeo, Ariana faz uma releitura do afresco “A Criação de Adão”, pintado por Michelangelo na Capela Sistina. Na versão da cantora, ela substitui todas as figuras masculinas por femininas, reforçando a criação pelas mãos de uma mulher, no caso Eva.

Também há uma cena em que Ariana Grande está gigante e três homens mamam em suas tetas, a referência é à escultura “Lupa Capitolina”, na qual os irmãos Rômulo e Remo, figuras mitológicas da fundação da cidade de Roma, mamam em uma loba. Vemos também uma referência a “Handmaid’s Tale”, série inspirada em livro homônimo que retrata uma sociedade distópica na qual mulheres são subjugadas e devem apenas servir para reprodução. E quanto aos bichinhos peludos que gritam, o que podemos dizer é que, provavelmente, são uma alusão ao meme “screaming beaver”. “Beaver” em inglês significa castor, mas também é uma gíria para vagina. E no clipe, ao contrário do meme original, o grito é de uma voz feminina.

Visualmente impecável e com uma estética completamente inovadora, o trabalho com direção de Dave Meyers captura o entrelaçamento entre sexualidade e espiritualidade em grande estilo.

A canção faz parte de “Sweetener”, o quarto álbum de estúdio da cantora. Com previsão de estreia para 17 de agosto, o trabalho conta com produção de Pharrell e Max Martin, além de uma colaboração com a rapper Nicki Minaj. A lista completa de faixas será liberada no dia 20 de julho.

Por Jessica Di Risio
Em 16 de julho de 2018